Obra de Manoel Antonio Teixeira Filho sobre a Revolução Francesa será lançada no TRT dia 28

13 de abril de 2022 / 18:42

A obra “Da Revolução Francesa a Napoleão Bonaparte” (editora Arte e Textos, 2021), mais recente trabalho do professor, jurista e desembargador aposentado Manoel Antonio Teixeira Filho, será lançada oficialmente no dia 28 de abril, às 19h, na sede do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR), na Alameda Carlos de Carvalho, 528, Centro de Curitiba. O livro, em três volumes, é fruto de pesquisa que durou aproximadamente quatro anos.

Em visita à Presidência do TRT-PR, no dia 11 de abril, o professor ressaltou a atualidade da Revolução Francesa quando se observa o contexto em que ela aconteceu: saltos tecnológicos, desigualdade econômica, social e política, somando-se a novas formas de pensar e produzir. “Hoje nós observamos que os ideais da Revolução Francesa são ainda uma busca para todos os povos. No mundo em geral falta ainda liberdade, igualdade e principalmente fraternidade, dado o que temos visto nos episódios recentes envolvendo dois povos irmãos, os russos e os ucranianos”, observa.

Manoel Teixeira explica que, embora seja um texto único, “Da Revolução Francesa a Napoleão Bonaparte” está dividido em três volumes, cada um deles tratando de um período histórico daquele evento que definiu as bases para o mundo contemporâneo. O primeiro volume fala sobre o período pré-revolução, com destaque para a correlação desigual entre as forças políticas do antigo regime (clero e nobreza) e as classes produtivas. “Eu cito no livro pelo menos 14 causas diretas para que acontecesse a Revolução Francesa, especialmente a grande desigualdade que havia entre nobreza, clero e o restante do povo, que representava 95% da população francesa daquele período”, observa o professor.

Já o segundo volume é sobre a Revolução em si, que se inicia com a queda da Bastilha (14 de julho de 1789) e se encerra com a ascensão de Napoleão Bonaparte à chefia de Estado da França, por meio do golpe do 18 de Brumário, em 1799. Este é o período mais intenso da Revolução, quando houve maior experimentalismo político e também maior radicalismo por parte dos revolucionários. O professor Manoel Teixeira afirma que foi um momento marcado pela autofagia, quando lideranças que buscavam se impor de forma autoritária acabaram tendo um fim trágico, como Marat, Danton, Robespierre e Saint-Just.

No terceiro volume, o professor Manoel Teixeira fala sobre o período Napoleônico, desde as primeiras vitórias militares contra as potências intervencionistas, ainda em território francês, passando pelas guerras de conquistas (o exército de Napoleão controlou territórios que vão da Península Ibérica até o Leste Europeu), até as derrotas do Imperador francês, sua prisão pelas tropas inglesas, desterro e morte na remota Ilha de Santa Helena, em 1821.

O jurista Manoel Antonio Teixeira Filho é advogado, professor de Direito e desembargador aposentado do TRT-PR. É membro do Instituto Latinoamericano de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social; da Société Internacionale de Droit du Travail et de la Sécurité Sociale; do Instituto dos Advogados do Paraná; da Academia Nacional de Direito do Trabalho e da Academia Paranaense de Letras Jurídicas e do Instituto dos Advogados de São Paulo. Foi presidente da Amatra IX, fundador e primeiro diretor da Ematra-PR.

(Informações e fotos da Ascom TRT-PR)